Pernambuco Nação Cultural

Notícias

04.07.2012 - 16h58

Museu do Estado inicia nesta quinta-feira (5/7) exposição itinerante \"Arquitetura Não Solicitada\"

A exposição que fica em cartaz até setembro traz como proposta uma reflexão sobre o papel da arquitetura

Thiago Medeiros

Descrição da imagem

Depois de São Paulo e Rio de Janeiro, o Recife é a primeira capital do Nordeste a receber, a exposição itinerante "Arquitetura Não Solicitada" – “Unsolicited Architecture”, desta quinta-feira (5/7) até 5 de setembro, no Museu do Estado de Pernambuco, com acesso gratuito. Um convênio de cooperação técnica assinado entre o Instituto de Arquitetos da Holanda (Netherlands Architecture Institute - NAI) e a empresa pernambucana Geosistemas possibilitou a vinda da mostra ao estado e para o Mepe.

"Arquitetura Não Solicitada", um desdobramento da mostra homônima realizada por ocasião da 9ª Bienal de Arquitetura de São Paulo, em novembro de 2011, ressalta a necessidade de se alcançar um papel mais ativo dos arquitetos na sociedade e a troca de experiências para lidar com os desafios atuais. A exposição reúne alguns dos projetos e propostas urbanas, que foram desenvolvidos a partir de experiências em diversas partes do mundo, em trabalhos realizados por importantes escritórios, a exemplo do alemão Raumlabor, o holandês DUS Architects, e o espanhol Recetas Urbanas, entre outros.

“Nossos trabalhos na Geosistemas pensam a cidade, sua mobilidade e os espaços urbanos. Diante dessa inquietação sobre o que fazer para a cidade nós nos deparamos com essa exposição, então resolvemos apoiar a vinda dela para Pernambuco, como única cidade do Nordeste a receber este novo conceito de arquitetura”, explica a arquiteta  Mônica Harchambois, da empresa de arquitetura, que também coordena a mostra no Recife. O novo conceito de arquitetura que Harchambois comentou é “na verdade uma prática proativa dos arquitetos, uma maneira de agir no lugar de reagir”, acrescenta.

A mostra apresenta ainda intervenções do artista holandês Harmen de Hoop (1959), resultados de workshops realizados no Rio de Janeiro em 2010 e Mumbai em 2011, em colaboração com o Stúdio-X/GSAAP da Universidade de Columbia, além de workshops organizados pelo diretor do Instituto de Arquitetos da Holanda (Netherlands Architecture Institute – NAI), Ole Bouman e um projeto que foi desenvolvido durante um curso oferecido por ele no MIT (Massachusetts Institute of Technology), em 2007, ocasião em que nasceu a expressão “Arquitetura Não Solicitada” ou “Unsolicited Architecture”, em inglês, utilizada por Bouman para se referir a uma postura proativa dos arquitetos atuais de “reinventar a profissão".

“Tendo em vista a veloz transformação econômico-cultural que estamos vivenciando no mundo moderno, os arquitetos foram forçados a redefinir sua maneira de proceder, prospectando e criando demandas e oportunidades. Trata-se de agir em vez de reagir, desenvolver novas visões e ferramentas para lidar com os desafios atuais”, observa a curadora da exposição Maria Augusta Bueno, do SP LAB/StúdioX, que integra no Brasil a rede global da Escola de Arquitetura, Planejamento e Preservação da Universidade de Columbia (Nova York). 

Mobilidade, Espaço Público e Vazios Urbanos - Os projetos selecionados para a exposição ilustram as ferramentas da prática “Arquitetura Não Solicitada” e seus potenciais, e estão agrupados em três territórios  temáticos - “Mobilidade”, “Espaço Público” e “Vazios Urbanos” - relacionados às necessidades sociais e oportunidades urgentes nas cidades.

Em “Mobilidade”, estão os projetos que propõem ações que promovem a cidadania em relação à maneira que as pessoas se movem na cidade.  O foco principal dos projetos em “Vazios Urbanos” é a ocupação temporária de edificações e terrenos desocupados. Finalmente, os projetos agrupados em “Espaço Público” propõem estratégias para ressignificá-lo em diferentes contextos culturais e situações.
 
Serviço
Exposição “Arquitetura Não Solicitada – Unsolicited Architecture”
Local: Museu do Estado de Pernambuco – Espaço Cícero Dias
(Av. Rui Barbosa, 960 Graças – Recife/PE)
Visitação para o público: 5 de julho a 5 de setembro de 2012
Terça a sexta, das 9h às 17h
Sábado e domingo, das 14h às 17h
Entrada: gratuita
Informações: (81) 3184. 3170

Conteúdo sob Licença Creative Commons