Pernambuco Nação Cultural

Texto


Avançada

Meu dizido timbaubense

Cá na terra onde nasci
Prostituta chama quenga,
A virgindade é cabaço,
Mau discurso é 'lenga-lenga',
Desconhecido é 'boyzinho',
Medo é 'se cagar todinho'
E discussão é arenga!

Ninguém corre, dá carreira,
Se cair “se estrupia”
Quem “se rala” aqui ‘se rela’
Quem tem pressa diz ‘avia’
Quem é lerdo é ‘mêi-da-lua’
Ir ao centro é ir ‘na rua’
E o ‘olha só!’ é ‘mai-pia!’

Mal resolvido é pendenga
Formiga grande é saúba
Pouco caso é 'nem tchuiú!'
Cabelão é mata ou juba
E estando certo ou errado
Tenho um orgulho danado
Porque sou de Timbaúba!

Timbaúba, 13/07/2012.

Baixar em formato PDF

Versão para impressão

O que achou deste texto?

Gostei

0 recomendações
379 acessos

Neste espaço não serão permitidos comentários que contenham palavras de baixo calão, publicidade, calúnia, injúria, difamação ou qualquer conduta que possa ser considerada criminosa. A equipe do portal Pernambuco Nação Cultural reserva-se o direito de apagar as mensagens.









Esse conteúdo foi criado e postado por:

Jessé Costa

Autorizado por:
Tear Audiovisual

em 14.02.2017 às 17h37


Tags

poesia, cordel, matuto, interior, timbaúba, timbaubense

Direitos autorais:

  • Domínio Público

Denunciar conteúdo impróprio

Lista completa


Conteúdo sob Licença Creative Commons